Mulheres escrevem grandes histórias todos os dias

A história do mundo está marcada por milhares de mulheres em todas áreas. No Brasil, vários nomes transformaram a vida de muita gente.
A Zilda Arns Neumann, fundadora e coordenada da Pastoral da Criança, foi uma dessas mulheres. Ela ajudou a criar o movimento que reduziu drasticamente a mortalidade infantil no Brasil, a pediatra de formação foi uma das profissionais da saúde que ajudou a propagar o uso do soro caseiro no país. A solução simples formada de água, açúcar e sal evitou que crianças morressem de diarreia e desidratação. A mortalidade infantil caiu Brasil de 62/mil nascidos vivos (década de 1980) para 20/mil nascidos vivos.
Na área dos negócios, a empreendedora Luiza Helena Trajano é uma das mulheres mais poderosas do país, à frente da rede Magazine Luiza há cerca de 20 anos. Ela fez com que o seu pequeno empreendimento se deslocasse do interior para ganhar a capital do estado de São Paulo, e hoje são mais de 800 lojas no Brasil.  Ela transformou a marca em uma das maiores e mais conceituadas do mercado, um grande exemplo de empreendedorismo de sucesso.
São tantas mulheres brilhantes que deixam grandes contribuições para a sociedade. Na área do direito, a Ellen Gracie alcançou um nobre feito: foi a primeira mulher a integrar a Suprema Corte do Brasil desde a sua criação. A ministra ainda se tornou a primeira figura feminina a presidir o STF. Em 2000 foi nomeada para exercer o cargo de ministra do STF e em 2004 empossou-se no cargo de vice-presidente do Supremo e em 2006, tomou posse no cargo de presidente do STF.
A figura da mulher, de elemento secundário, e antes criada para tomar conta da casa e dos filhos passou a ser extremamente importante na sociedade atual, exercendo cada vez mais um papel de protagonista.
A pedagoga Maria Teresa Mantoan é prova de como uma mulher pode sempre mais, ela dedica-se às áreas de pesquisa, docência e extensão, e é defensora do direito incondicional de todos os alunos terem acesso à educação escolar de nível básico e superior de ensino. Oficial na Ordem Nacional do Mérito Educacional no Grau de Cavaleiro, recebeu esse reconhecimento em razão de sua contribuição à educação no Brasil.
Zilda, Luiza, Ellen, Maria Tereza, Renata, Maria, Ana, e tantas outras guerreiras que fazem da sua história uma luta diária: trabalho, casa, filhos, marido, namorado(a), tudo para administrar em uma sociedade historicamente machista e ainda com vestígios do patriarcalismo é certamente uma batalha árdua, mas que elas fazem com amor e dedicação.
Muitas conquistas já foram realizadas, mas a luta diária por direitos, respeito e reconhecimento ainda continua. O rótulo de ser o “sexo frágil”, mas ter que mostrar uma força gigante todos os dias, a luta por igualdade de salários, de um lugar na política, na conquista por trabalhos anteriormente estabelecidos para homens, e a batalha contra a agressão física, moral e afetiva são desafios ainda enfrentados pelas mulheres.
E nessa trajetória nada fácil, o conhecimento é uma ferramenta de grande valia em todas as áreas de atuação. Por isso, fazer uma pós-graduação pode fazer a diferença na sua vida e na de muitas pessoas.
Venha escrever a sua história, estude com a gente!
 
 
 
 

(1) Comentários

  • j mm 4 de junho de 2020 @ 12:29

    Muito obrigado por compartilhar e estimular boas referências de grandes mulheres que estão fazendo suas histórias. Obrigado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X